You are currently viewing CONTRATOFOBIA – PORQUE EMPREENDEDORES PRECISAM SE CURAR DISSO!

CONTRATOFOBIA – PORQUE EMPREENDEDORES PRECISAM SE CURAR DISSO!

Você sofre de contratofobia? Ou seja, você é daqueles empreendedores que morrem de medo de usar contratos e sempre firmam acordos apenas verbalmente? Segue a leitura que vamos te ajudar a mudar e evitar as várias dores de cabeça que podem ser evitadas com um simples contrato.

Como perder o medo de usar contratos: dicas para empreendedores

Os contratos estão entre as razões mais comuns para desavenças e outros problemas no mundo empresarial. Há os problemas societários, de direitos trabalhistas, de relação com os fornecedores, e vários outros que podem ser facilmente evitados com um simples documento.

E a fonte desses problemas é sempre a mesma: a crença de que tudo está certo por um mero acordo verbal. A crença de que a outra parte vai lembrar de tudo o que foi dito. O problema, contudo, é que nem toda pessoa pensa assim e que as pessoas nem sempre entendem as mesmas coisas em uma conversa.

Se você não toma as ações necessárias para proteger sua empresa e seu patrimônio, pode assumir riscos sérios e completamente desnecessários. Por isso, acompanha algumas dicas de como começar a usar contratos e perder a contratofobia. Vamos lá!

1 – Lembre-se de comunicar tudo verbalmente

A primeira dica para se perder o medo de utilizar contratos é antes comunicar verbalmente tudo o que será colocado como cláusula contratual. Deixe claro para a outra parte quais são as condições acordadas por ambos.

Para ajudar, você pode até já fazer um pequeno esboço ou anotar tudo o que foi acordado. Além disso, mostre o que você escreveu para a outra parte e pergunte se ele está de acordo.

O importante em qualquer comunicação antes de firmar um contrato é que tudo seja dito de maneira absolutamente sincera. Muitas pessoas têm medo de tratar desses assuntos e por isso acabam se arrependendo logo em seguida.

Por isso, não tenha medo de falar tudo o que acha que deve, e de principalmente esclarecer todas as suas dúvidas.

2 – Tenha claresa sobre a função do contrato

Além de estipular todas as condições financeiras, prazos de entrega, prazo de conclusão (quando se tratar de serviços), é muito importante ter clareza da principal função do contrato, qual seja, a de “fazer lei entre as partes”.

Uma vez compreendida essa função, é imprescindível que se discuta previamente todas as expectativas em relação ao contrato, pois uma vez estipuladas todas as condições, nenhuma das partes poderá alegar que o instrumento não retrata aquilo que era a sua intenção.

O contrato formaliza exatamente a intenção das partes, por isso tudo deve ser esclarecido antes da formalidade, para que se evite “dores de cabeça” futuras.

3 – Fuja dos modelos

Lembre-se que cada ser humano possui desejos e intenções personalizadas, sempre diferente das demais pessoas. Por isso, utilizar os modelinhos disponíveis na internet significa firmar um contrato para um assunto pessoal, mediante a vontade de outrem.

Fugir dos modelos é uma dica muito importante, pois o que se encontra no Google, na maioria das vezes não retrata a vontade das partes contratantes.

4 – Busque ajuda de um profissional

Busque sempre ajuda de um profissional da área jurídica para uma correta redação do seu contrato. Já ficou claro a importância de fugir do modelo pronto. A consultoria e o auxílio de um(a) advogado(a) é fundamental para que o seu contrato seja elaborado de forma personalizada.

Infelizmente, é muito comum que as pessoas façam acordos verbais e, por pensarem que está tudo muito claro, deixam de buscar o apoio de um profissional. Casos assim, naturalmente, decorrem de desconhecimento das questões jurídicas que envolvem o assunto, culminando em imbróglios futuros que, na maioria das vezes, impactam até mesmo as relações de amizade ou familiares.

Por essa razão, é muito importante que  você deixe muito claro para o(a) advogado(a) todas as condições que foram acordadas. Esse é o melhor meio de garantir que todas as questões sejam amoldadas aos critérios jurídicos pertinentes.

5 – Faça uma boa leitura antes de assinar

Por fim, lembre-se ainda de fazer uma boa leitura antes de finalmente assinar o documento e, caso tenha dúvidas, utilize o conhecimento do profissional contratado para esclarecer todo e qualquer assunto que porventura não tenha ficado claro.

Autor

Percival Nogueira de Matos, Contador e Advogado, especialista em Direito Tributário, Holding e Planejamento Societário, Direito do Trabalho e Processual do Trabalho, sócio do escritório Percival Nogueira Sociedade Individual de Advocacia e do escritório contábil Harmonia Contabilidade; Master Practitioner; Personal e Professional Coach.

Deixe um comentário